O coração marca o ritmo numa nota grave, profunda. A coluna harpeia. A pélvis badala. O diafragma expande e retrai como um fole. Os lábios abrem-se. Os olhos cerram-se. O corpo é uma orquestra numa progressão de acordes a caminho do suspense. Um crescendo que parece não acabar. Então uma última nota fica suspensa. É ...