De que é que me arrependo na vida?

A casa-de-banho sempre foi um espaço de profícua imaginação. Foi sentado numa sanita que eu reescrevi, e consegui finalmente resolver, a peça “Cabo 20” que encerrava a récita do meu 11º ano. Foi no WC do restaurante Vivaldo’s, e não na sua fantástica esplanada com vista para o mar, que eu me lembrei do enredoContinue a ler “De que é que me arrependo na vida?”

Só saberei viver quando aprender a morrer

Daqui a duas horas e vinte e um minutos estará morto. Passo o tempo a dizer-lhe que um dia vai acontecer. Ele não me ouve. Já há muito que não me ouve. Quando era criança, sentado na sanita, a olhar os azulejos preto e branco sem os ver, pensou na sensação de morrer. Mergulhou tãoContinue a ler “Só saberei viver quando aprender a morrer”

Um abraço mosqueteiro

O Telmo é um dos meus camaradas do Colégio Militar. Nós não temos muito em comum. Não partilhamos dos mesmos interesses. Não passamos férias nos mesmos sítios. Não saímos juntos à noite. Nunca tivemos uma conversa íntima sobre a vida do outro. Ele tem acesso a canais de televisão em casa e eu não. EntãoContinue a ler “Um abraço mosqueteiro”

Sim, é de minha livre vontade

Há quase 10 anos atrás, a Carla desceu 350 metros de slide, vestida de noiva, para se juntar a mim, ao som de Oh, Pretty Woman. Eu, esperava-a, deslumbrado e nervoso. Parte de mim estava ocupado a tentar controlar os acontecimentos para garantir que tudo naquela festa corria bem. Essa parte foi surpreendida quando estaContinue a ler “Sim, é de minha livre vontade”