Viver o Montanha Pico Festival

Abro os olhos e cerca-me a escuridão da gruta. Estou sentado no chão sobre o biscoito — o rasto negro que a lava deixou — ao meu redor, escuto apenas as gotas de água que não cessam de cair na rocha. O sopro do saxofone surge como o vento que fustiga a montanha e então a música improvisada do Luís Senra transporta-me para outro tempo. Estamos dentro da Gruta do Soldado e juro que sou capaz de ouvir um lamento, parecem-me as vozes de todos aqueles que utilizaram as profundezas da terra para sobreviver. Sinto-me pequeno e humilde. O som das gotas funde-se com a melodia. Lembra-me as lágrimas que não choro, aquelas que me atravessam a alma e que guardo em lugares secretos. O saxofone cala-se e aparecem as palavras da Filipa Gomes: volto a recolher-me nas minhas entranhas… volto a recolher-me e a encontrar dentro de mim a viagem. Estou no ventre da ilha e não há como não contemplar a minha própria viagem. Tenho quarenta e um anos, uma família, casa, trabalho e amigos — uma vida abençoada e feliz — e ainda assim parece que falta algo. Falta-me a Natureza.

Visitei, várias vezes, o Pico durante os últimos vinte anos. Fiz tudo o que o típico turista faz: vi caudas de baleia a emergir das ondas do oceano, subi a montanha durante a noite para contemplar o nascer-do-sol e provei o verdelho com nuances a maresia. Aos poucos a ilha dos mistérios foi ganhando um lugar especial no meu coração, mas foi com a descoberta em 2020 do Montanha Pico Festival organizado pela MiratecArts que se instalou definitivamente o sonho de me vir a tornar picaroto. Este ano voltei, pelo terceiro ano consecutivo, a participar e a experiência tornou a ser especial.

O festival começou com o documentário “A Vaguear pelo Oceano” do realizador croata Toma Zidic. Lembro-me de encontrar o Toma há dois anos atrás. É impossível esquecer o seu olhar curioso de quem vê para lá do que é obvio. Na altura, Toma vogava pelas ilhas açorianas filmando, buscando a essência das coisas. Sentado no auditório da Madalena, ao ver surgir no grande ecrã as imagens e os sons que ele tinha captado, percebi que estava perante um filme singular. Mais do que uma narrativa, “A Vaguear pelo Oceano” é um olhar que se sente, se escuta e saboreia. À medida que o filme avançava, eu sentia-me a ter acesso a um lugar secreto — gentilmente, espreitava o coração dos Açores.

Não posso deixar de expressar a minha tristeza por o auditório estar tão vazio. Éramos talvez vinte almas deslumbradas. Percebo que a pandemia e todas as suas regulações (muitas vezes kafkianas) não ajudaram. Mas aquele filme merecia uma sala cheia de picarotos orgulhosos na sua incrível terra. Fez-me lembrar como também eu, às vezes, tenho dificuldade em sair do conforto da minha casa para ir ver o que a minha cidade tem de melhor. Quantas vezes não dei por mim a mostrar Lisboa a amigos de fora, só para me surpreender com aquilo que eu dou por adquirido na minha própria terra.
No dia seguinte fomos presenteados por duas perfomances do projeto Abaixo da Superfície com a dupla Luís Senra (saxofone) e Filipa Gomes (poesia). A primeira aconteceu na Furna Nova perto do Aeroporto e a segunda na Gruta do Soldado em São João. É difícil descrever a experiência de contemplar a arte dentro de grutas naturais. Há um certo mistério que se revela no encontro entre a arte humana e a arte da Natureza. Sempre que conto a alguém sobre o projeto Abaixo da Superfície, os seus olhos arregalam-se. Não sei se de incredulidade, se de inveja.

A nossa participação terminou com uma tarde de chá na casa da montanha. Protegidos do mau tempo que se tinha instalado nas terras altas e aquecidos por chá açoriano, conversámos sobre Turismo Sustentável. Enquanto turista no Pico, que é o que fui durante tantos anos, refleti sobre uma questão essencial: como é que, enquanto comunidade, podemos garantir que a essência dos Açores (captada pela lente do Toma) ainda poderá existir daqui a trezentos anos? Quando somos turistas, temos a tendência para querermos ter a melhor experiência no menor curto espaço de tempo possível. Tratamos os lugares que visitamos como se fossem descartáveis. É um comportamento egoísta e irresponsável. Durante a tertúlia, dei por mim a desejar que os meus bisnetos, e os seus bisnetos, ainda venham a ter acesso à natureza pouco editada que existe na ilha do Pico. Concretizar esse desejo é responsabilidade de todos nós, especialmente daqueles que definem a estratégia que querem para o turismo nesta ilha.

Não posso terminar este texto sem expressar um profundo agradecimento ao Terry Costa. Um dia ouvi alguém dizer que há um Pico antes do Terry e um Pico depois do Terry. É fácil perceber porque é assim. Tem uma mente a fervilhar de ideias e o coração generoso dos picarotos.

Conforme publicado a 30 de janeiro de 2022 no Diário dos Açores.


Aprendi que não há receitas para a arte de ser Pai, mas acredito que a partilha da minha experiência pode ajudar outros pais a lidarem com os sentimentos de culpa, exaustão e raiva que facilmente se inflitram na vida familiar. Por isso escrevi o livro Tornar-me Pai. É um excelente presente para pais, aqueles que acabaram de o ser e para aqueles que já andam nisto há uns anos.


Eu e o Ricardo Lapão, num ato de coragem e alguma loucura, decidimos gravar um podcast de sete episódios durante os quais conversamos sobre o significado da vida. É uma partilha despretensiosa, sem filtros, durante a qual abordamos temas como a morte, o prazer, a evolução e a transcendência. Tens curiosidade? Espreita aqui.

One thought on “Viver o Montanha Pico Festival

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: