Um pai a descobrir como lidar com as emoções dos filhos

Lembro-me de estar sentado, à espera, nas urgências do hospital da CUF das Descobertas. Do outro lado da sala estava uma mãe desesperada com o comportamento irrequieto e barulhento do seu filho. No meio do ambiente de doença, a energia viva daquela criança era demais e a mãe sentia a pressão social dos outros pais, cansados e impacientes. Utilizando o derradeiro argumento, apontou para mim e disse ao filho: “Se não te portas bem, aquele senhor vem aqui zangar-se contigo”. Não podia acreditar que ela me estava a utilizar para meter medo ao filho. Respondi, desde a minha ponta da sala: “Desculpe lá, mas não me envolva no seu problema”. Nessa época, eu ainda não compreendia o nível de desespero a que pode chegar um pai ou uma mãe e disse-o sem qualquer compaixão pela situação.

Aquela mãe estava desorganizada. Sem saber como lidar com o medo inconsciente de ser rejeitada pelo grupo de pessoas que a rodeavam, disparava para todos os lados. Sentindo-se impotente para controlar o filho, experimentou passar o poder para mim. É uma estratégia de desresponsabilização que alimenta a insegurança do filho. Em vez dos limites serem colocados pela mãe, são personificados em estranhos, com os quais a criança não tem nenhuma relação de afeto. Isto é um caminho eficaz a curto prazo e desastroso a longo.

Então o que é que ela poderia ter feito? Não sei. Não sei mesmo. Tenho apenas uma ideia de como é que eu poderia ter agido. Quando este episódio aconteceu, eu ainda não tinha tido de enfrentar nenhum acesso de raiva de um filho, o que me permitia ter todo um julgamento superior em relação àquela mãe. Agora que já tive de enfrentar vários, e que conheço o desespero de não controlar um filho, sinto muito mais empatia pela sua situação. Em vez de rejeitar o poder que a mãe me estava a entregar, poderia ter chamado a criança para ao pé de mim e ajudado a acalmá-la, dando espaço à mãe para respirar uns segundos. Ela claramente precisava.

Cada criança é única, tal como cada família. Não há receitas. Nem atalhos. Existem caminhos de experimentação e partilha. Posso, por isso, partilhar o que é que eu tenho aprendido com os meus filhos nesta arte de lidar com a sua raiva e a sua frustração.

Dizer que não

Todos os adultos têm de lidar com o sentimento de frustração diariamente. Se o nosso objetivo enquanto pais é educar os nossos filhos para se tornarem independentes de nós, é importante criarmos as condições para que eles possam experienciar essa sensação em segurança. Poderão assim aprender a estar em paz com ela.

Um dia estava a regressar a pé da escola com os meus filhos. A Sofia vinha convencida que ia acontecer uma coisa que ela queria muito nessa noite. Quando eu lhe disse que afinal já não ia acontecer, ela zangou-se. Começou a gritar e a chorar. Eu respirei fundo e continuei a andar. As pessoas passavam por nós e eu sorria nervosamente. Os seguintes pensamentos inundavam-me a mente:

“Vou ignorar e não dar atenção, ela há de se calar”
“Estou a reforçar que é ok fazer birra”
“Estou a estragar a educação da minha filha”
“Vou-lhe dar uma palmada! Assim tem uma razão para chorar”

Experimentei explicar-lhe a situação de forma lógica. Que era um imprevisto. Que ela gritar no meio da rua não ia mudar nada. Que aquilo já não ia acontecer, independentemente do que ela fizesse. Acho que só aticei ainda mais a tempestade. Ela continuava a gritar a plenos pulmões. Comecei a ficar desesperado. Internamente estava completamente desorganizado, sem saber o que fazer. De repente, lembrei-me de uma partilha no Facebook da minha amiga Isabel Faia e decidi experimentar algo diferente. Decidi abraçá-la. No momento em que me baixava para a abraçar, passavam várias pessoas por nós e a minha mente disparou imediatamente:

“Olha-me este pai a mimar a filha que está a fazer uma birra”

Ignorei o julgamento e abracei-a. Os gritos transformaram-se num ranger de dentes. Incentivei-a a colocar toda a sua raiva naquele abraço. Ela apertou-me com toda a sua força. A tensão do seu corpo cresceu até um pico e depois desapareceu. Onde antes existiam gritos de raiva, surgiu um choro miudinho. Era como se a fúria do guerreiro tivesse dado lugar à tristeza da menina. Voltei a dar-lhe a mão e continuámos o caminho. A tristeza não durou mais do que a travessia de uma avenida. Aos poucos foi capaz de voltar a falar de outras coisas. Quando chegámos a casa, a alegria já se tinha instalado na nossa conversa e ela já tinha aceite que o que ela queria, não ia acontecer.

Espaço para sentir

Aquele abraço não foi uma cedência. Não alterou a minha decisão. E a Sofia não teve o que queria. O abraço foi uma validação de que o que ela estava a sentir era real. O contorno que lhe dei, tornou-se na possibilidade de ela exprimir a sua raiva de forma mais adequada, em vez de ir ao gritos pela rua. Naturalmente surgiu tristeza. Eu também fico triste quando descubro que algo que queria muito afinal não vai acontecer. No entanto, falta-me a capacidade para chorar. Acabo por esconder a tristeza atrás de irritação. Sem me permitir sentir a emoção desconfortável, acabo por fugir da minha interioridade e torno-me implicativo, como meio de colocar a minha atenção em tudo o que se passa fora de mim.

Este acontecimento foi um momento de viragem na relação com a minha filha. A partir daí passei a ter uma referência para lidar com toda a sua intensidade, sem ser por via do conflito. Foi também uma descoberta de vida. Compreendi, finalmente, a importância de validar o que alguém sente, sem querer mudar nada, e do processo de transformação que daí ocorre.

 

Se gostaste deste artigo, junta-te ao grupo de pessoas que acompanham de perto o meu blogue. Clica neste [thrive_2step id=’718′]link[/thrive_2step] e deixa-me o teu nome e email. Receberás uma mensagem de boas-vindas com o meu contacto e o conto “A imperdoável escolha de Black”

[thrive_leads id=’630′]

22 opiniões sobre “Um pai a descobrir como lidar com as emoções dos filhos

  1. Muito bom mesmo. De facto, a parentalidade é um desafio gigante que nos vai ensinando todos os dias.
    Muito grata pela partilha. Também eu vou descobrindo, como mãe de duas princesas, que é nosso dever aceitar o que é e como é sem tentar mudar…

    Gostar

  2. Muito bom. Só não acho que o objectivo dos pais seja “educar os nossos filhos para se tornarem independentes de nós”, mas sim interdependentes.

    Gostar

  3. Muito bom! Obrigada pela reflexão… cá em casa temos uma postura semelhante… num destes dias a minha pequena menina de 22 meses disse-me ” estou triste mamã”… ” queres um abraço?”, respondi (porque cá em casa assumimos que quando estamos tristes damos abraços e miminhos!)…. “simmmm….” e assim saiu um abraço apertado que cura qualquer dói-dói!!! Com 22 meses fala-me de estar feliz, de estar triste, de estar chateada e aborrecida…

    Gostar

  4. Muito bom. Sereno e assertivo, como sempre. Hoje de manhã tivemos uma birra destas em casa, resolvida com um abraço carinhoso de uma mãe com pressa mas que não deixou de abraçar durante bastante tempo, sem ter dizer nada, até resolver. Depois cheguei ao café e li isto. Muito obrigado.

    Gostar

      1. É tão engraçado dizeres isso e eu sentir que a inspiração são vocês em tanta coisa, como a vossa entrega à criação de memórias, experiências, liberdade…
        Bem, a partilha mútua e disponibilidade para refletir deve mesmo ser o segredo, mas é muito raro saber partilhar como tu partilhas, nisto e em tudo. Obrigado eu!

        Gostar

  5. Espectacular! Tantas vezes que isto acontece….

    “Eu também fico triste quando descubro que algo que queria muito afinal não vai acontecer. No entanto, falta-me a capacidade para chorar. Acabo por esconder a tristeza atrás de irritação. Sem me permitir sentir a emoção desconfortável, acabo por fugir da minha interioridade e torno-me implicativo”

    Gostar

  6. Olá 🙂
    Primeiro texto que li e adorei. Acabei de o ler com um sorriso no coração e uma lágrima a querer sair. Obrigada pela partilha; tenho a certeza de que nos irá ser muito útil nos próximos anos pois fez-me todo o sentido e já percebi que para o Francisco também. Obrigada!
    Vou ler os restantes! 🙂
    Beijinho e por favor continua a escrever assim!

    Gostar

  7. Comecei a ler os treus textos recentemente e têm feito muito sentido e hoje percebi porquê. TODOS vamos tendo desafios parecidos mas nem sempre estamos com clareza de espirito no momento dos desafios para decidir o certo. É por isso que a partilha de experiências ajuda a recolher ideias e boas práticas. Obrigado por isso.

    Gostar

      1. não vais acreditar mas no dia em que li este texto a chegar a casa a minha filha começou a fazer uma birra e lembrei-me: vou dar-lhe um abraço e receber a frustração que ela tiver. O resultado foi o mesmo e realmente surpreendente.

        Gostar

  8. Olá, de novo, para te dizer que cativas, prendes e és limpído nas palavras que escreves:) Gostei muito sim, embora mais numa perspetiva de avô, no futuro, pois as “birras” dos meus ” meninos” são agora menos ruidosas, mas não menos complicadas, quando surgem. E sim, temos de os acostumar de pequeninos, a aceitar que nem sempre a “coisa” corre como queremos e temos que aceitar e desfocar… pois as ” birras” na idade adulta são bem mais graves e podem destruir a sanidade mental;(

    Gostar

  9. Boa noite Rodrigo, É sempre muito reconfortante ler-te, ainda que nada tenha a acrescentar, porque só opino quando posso acrescentar valor.
    Abraço amigo,
    JG

    Gostar

  10. Como sempre, nos teus textos, há algo que acrescentas aos meus conhecimentos/saberes!…Obrigado! Quanto à escrita, ficamos empatados, pois nada corrigiria…nem alteraria! Um abraço amigo. MC

    Gostar

  11. Meu caro Rodrigo. Este assunto é da maior atualidade merecendo estudo e, sobretudo, o reconhecimento dos exemplos apresentados no texto para criar condições de mudança no sentido correto por parte de muitos pais. No entanto tenho de recordar do texto o que destaco abaixo, “cada família é única” e “devemos validar o que alguém sente, sem querer mudar nada”, para te recomendar que é importante ir procurando mudanças nos filhos aos longo dos anos para evitar que quando mais velhos, por exemplo estudantes do ensino superior, nas conversas, nomeadamente com professores apenas mencionem as mães, nos meus 18 anos de professor (60 aos 78) raramente as/os estudantes se referiam ao pai por isto ou por aquilo.

    “Cada criança é única, tal como cada família. Não há receitas. Nem atalhos. Existem caminhos de experimentação e partilha. Posso, por isso, partilhar o que é que eu tenho aprendido com os meus filhos nesta arte de lidar com a sua raiva e a sua frustração.
    (…)
    Compreendi, finalmente, a importância de validar o que alguém sente, sem querer mudar nada, e do processo de transformação que daí ocorre.”

    A este propósito recomendo-te a leitura de “CARTAS AO PAI”, do padre, doutor, José Tolentino Mendonça, publicado em Crónicas – Que Coisas São as Nuvens – em A Revista do Expresso de ontem, 15 de outubro.
    Parabéns pelos temas, pela regularidade de publicação e pela vontade em partilhar experiências e competências.
    Um abraço da maior consideração,
    António Pena.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: