A filha a ensinar o pai

Por vezes é difícil compreender o que vai na cabeça dos meus filhos. Os seus mundos internos são cada vez mais vastos e complexos. Os convites para passear nos seus territórios tornaram-se escassos. Já não conheço tão bem as zonas à sombra, nem o cheiro das flores que nascem no meio das ervas daninhas. AchoContinue a ler “A filha a ensinar o pai”

Carta ao meu filho adolescente

O nosso filho mais velho entrou oficialmente na adolescência! Por estarmos em confinamento, este ano não foi possível organizar uma festa com os seus amigos. Sinto a tristeza da ausência desse momento. As festas de aniversário dos nossos filhos são sempre momentos especiais em que podemos contemplar a vida que habita neles: como é paraContinue a ler “Carta ao meu filho adolescente”

Anseio pelo dia em que nos voltaremos a abraçar

Há muito tempo que não acordava sem vontade de sair da cama. Da cozinha chegava o som dos pratos a serem colocados na mesa. Alguém estava a tomar duche. Parte de mim queria amuar, dizia, ok, já chega, está bom, não quero mais… As rodas dentadas da nova rotina familiar estavam em marcha e aContinue a ler “Anseio pelo dia em que nos voltaremos a abraçar”

Falar da minha tristeza com os meus filhos

Foi durante uma aula de Pilates que me apercebi da tristeza que me invadira. À segunda-feira costumo ir treinar antes de regressar a casa. É um momento importante, durante o qual estimulo a consciência do meu corpo e invisto na minha saúde. Há uns tempos estava deitado no reformer quando me apercebi de que estavaContinue a ler “Falar da minha tristeza com os meus filhos”

Crianças e jogos eletrónicos

Uma das reflexões que tento fazer regularmente, enquanto pessoa e enquanto pai, é como encontrar um equilíbrio saudável entre a tecnologia e a humanidade. Se para mim é difícil encontrar este equilíbrio e dou por mim a desconectar-me do que está a acontecer à minha frente, porque é mesmo importante responder àquele comentário no WhatsApp,Continue a ler “Crianças e jogos eletrónicos”

Olha, eu a lançar um livro

Sentei-me sozinho no palco, microfone do lado esquerdo, três exemplares e uma cábula do lado direito. Estava nervoso. Senti necessidade de explicar porque é que estava sozinho. Queria ter uma conversa com quem tinha vindo, olhá-los de frente, não queria que assistissem a um diálogo. Dei as boas-vindas e apercebi-me de como ainda estávamos distantes,Continue a ler “Olha, eu a lançar um livro”

Quando dá vontade de desistir

Eu tinha nove anos quando dormi a primeira noite numa camarata partilhada com mais de oitenta miúdos que não conhecia de lado nenhum. Ao desligarem as luzes a escuridão não foi total. Algumas das lâmpadas mais fracas, aquelas a que chamavam vigias, mantiveram-se ligadas ajudando a afastar os fantasmas noturnos. À minha direita, do outroContinue a ler “Quando dá vontade de desistir”

Lançamento do livro Tornar-me pai

Devo o gosto pela escrita à minha mãe, a única não engenheira lá de casa. Ela fez o Curso Superior de Jornalismo na Faculdade de Letras, comigo ainda na barriga. Esse terá sido o meu primeiro contacto com o mundo das palavras. Imagino-me aconchegado na minha cápsula ultra-eficiente, embalado pela prosódia dos professores. Cumpria oContinue a ler “Lançamento do livro Tornar-me pai”

Sem chuva, não há arco-íris

Estou em Santa Cruz – essa praia no oeste agreste português onde o inverno passa o verão. Eu e o meu filho vamos a caminhar no meio da estrada, o que só é possível fazer nas terras onde os peões ainda são a classe dominante, quando ele afirma “Papá, eu nunca te vi chorar”. FiqueiContinue a ler “Sem chuva, não há arco-íris”

Três pérolas de sabedoria para os meus filhos

O meu filho já é um homem!, declarou o meu pai quando, durante uma discussão à mesa, eu contrapus os seus argumentos de uma forma eloquente. Eu tinha dezanove anos. Essas palavras infiltraram-se nos poros da minha pele, penetrando fundo nas camadas do meu ser e alojaram-se na minha alma. Apesar de já ter paradoContinue a ler “Três pérolas de sabedoria para os meus filhos”