Parar de me sentir em falta

Há mais de um mês que não publico nada no blog e tenho dado por mim a pensar: será que alguém sente falta? Logo em seguida surge uma caótica miríade de pensamentos:

o que é que interessa às pessoas se eu escrevo ou não? estou a escrever isto porque quero que tenham pena de mim, preciso de atenção, escrevo para mim ou para os outros? porque é que eu escrevo? quero que gostem de mim, ainda tenho alguma coisa para partilhar? tenho de me esforçar mais, devia escrever melhor e com mais frequência, e se não me apetece? e se só me apetece para receber shots de gratificação instantânea?

Socorro! Pensar neste assunto é como agitar-me em areias movediças, só me afundo cada vez mais.

Há um emaranhado de sensações, emoções e ideias que surgem quando penso que estou em falta. Sinto que não estou a ser suficiente e dou por mim a tentar fazer coisas para preencher essa falta. Como por exemplo, escrever este artigo.

Complexo de inferioridade

Carl Jung descrevia o conceito de complexo como um nó de sentimentos e crenças no inconsciente, detetado indiretamente através de comportamentos enigmáticos. É exatamente como eu sinto este emaranhado em torno do tema eu não sou suficiente. Um nó complexo de inferioridade, que eu não consigo desfazer.

Os comportamentos enigmáticos multiplicam-se, se é por não escrever no blog, também é porque estou sentado numa aula e não tenho nenhuma pergunta brilhante para fazer, ou porque os meus filhos não falam inglês, nem saber fazer uma roda sem mãos, nem com mãos, na verdade. Este nó que me acompanha permeia-se por todas as áreas da minha vida.

Estou a dramatizar… Lá está o raio do complexo a intrometer-se no artigo. Na verdade, o nó nem sempre está lá. Às vezes, eu relaxo e torno-me suficiente. Sinto isso quando estou só com a Carla e com os nossos filhos, quando não há mais ninguém com quem nos comparar. Sinto isso frequentemente na Premium Minds, onde estou seguro e rodeado de pessoas de quem gosto muito. Sinto isso quando estou a dar sessões de psicoterapia e estou completamente focado no outro e nas suas necessidades. Sinto-me suficiente em muitas ocasiões.

Parece-me que o complexo, ou pelo menos os seus efeitos, desaparecem quando estou verdadeiramente em relação com quem me rodeia.

Super charge your baby

Vou dar um salto. A ver se não te perco. Há pouco tempo li o artigo “Super charge your baby” na Scientific American. O autor discutia a validade científica da panóplia de brinquedos que anunciam milagres na educação das crianças: DVDs que prometem promover a leitura desde bebé, anéis de dentição que incentivam o desenvolvimento oral, ou dispositivos intravaginais que dão música ao bebé para que ele aprenda a vocalizar desde o útero. Reconheci como é fácil deixar-me encantar pelas flautas dos publicitários que ativam a minha ansiedade de pai. Estes produtos, com as suas afirmações ambiciosas pseudo-científicas, exploram as profundezas da insegurança de que os meus filhos não vão ser suficientes.

Nunca deste por ti a correr no meio da manada? Como se fôssemos antílopes a fugir não sei do quê, e a ir não sei para onde. Um de nós assustou-se e saiu disparado. Nós lá fomos a correr sem querermos ficar para trás, não fosse revelar-se a nossa morte.

E é exatamente o que eu sinto quando não escrevo um artigo há mais de um mês:

Será que estou a ficar para trás?

Estar presente

Quanto mais me envolvo na psicoterapia, mais compreendo que o antídoto da ansiedade – a expetativa de uma ameaça futura – é estar presente. O conselho que o autor do artigo dá vai nesse sentido. Se queres comprar um brinquedo ao teu filho, encontra um com o qual tu também queiras brincar. Assim estarás presente nas suas brincadeiras, e não há melhor educação do que os nossos filhos nos poderem ver e ouvir a interagir com o mundo.

Perante a minha ansiedade com o blog seguirei o mesmo conselho. Em vez de entrar na tormenta de pensamentos por achar que devia publicar mais artigos, irei aceitar o que realmente me apetece e permitir-me fazê-lo. Sei que neste momento me apetece escrever noutros formatos. É bom parar e perceber que não há nenhuma chita atrás de mim.

10 opiniões sobre “Parar de me sentir em falta

  1. E agora que revejo… claro está, este também aparece e tem tanto que ver com o assunto aqui tratado!!!

    Bom… vou mas é calar-me!!! Um grande beijinho, até ao próximo artigo A Pulsar.

    Gostar

  2. excelente e corajoso artigo, aliás como sempre! Quantos blogers e pessoas se devem rever neste artigo. Eu revi-me em absoluto e não apenas na escrita de um blog (que não tenho) mas para dar uma opinião numa reunião de trabalho por exemplo, ou nesta mesma opinião que agora me atrevo a deixar…….. E para já tambem quero estar presente nestes teus instrumentos Rodrigo, quando o posso estar. Mas mesmo quando não o estarei sei que perdi um minuto de leitura importante e agradavel. Bem hajas Rodrigo e continua explorando todos os formatos, porque afinal apesar de uma larga oferta e de uma intensidade publicidade nos brinquedos e instrumentos para crianças e para adultos…….a escolha é sempre de cada um e voluntária e além disso há brinquedos que ajudam a estar presente com mais valor. Abraço

    Gostar

  3. A maneira como sinto falta dos teus artigos é parecida com “ter saudades”… das boas: faz sorrir quando há reencontro, mas não sinto nada “em falta” / devido até então. É como ver um concerto de uma banda que gosto: nada é devido e é bom quando surge!

    Gostar

  4. Meu caro Rodrigo, acredita que hoje, neste nosso mundo do telemóvel/computador/máquina fotográfica/internet/e-mail, “aparentemente” ninguém faz falta a ninguém, mas…
    O problema é saber bem que para haver Comunicação tem de haver Comunhão e que outra questão vital tem a ver em sabermos que “explicar” nada serve se não houver “compreender”. Portanto meu caro Rodrigo trabalha o teu,”Em vez de entrar na tormenta de pensamentos por achar que devia publicar mais artigos, irei aceitar o que realmente me apetece e permitir-me fazê-lo. Sei que neste momento me apetece escrever noutros formatos. É bom parar e perceber que não há nenhuma chita atrás de mim.”
    Quanto tiveres tempo avisa para almoçarmos aqui no “Restaurante Centro Náutico”, almoço de 2018, podendo sermos acompanhados pelos teus pais, pela Carla ou por quem entenderes. Almoço de trabalho parece-me evento importante para me permitir “explicar” como consigo ultrapassar, “Há um emaranhado de sensações, emoções e ideias que surgem quando penso que estou em falta. Sinto que não estou a ser suficiente e dou por mim a tentar fazer coisas para preencher essa falta.”
    Um abraço da maior consideração.

    Gostar

  5. Quem te lê não entenderá essa tua angústia de não saberes se se notou a tua falta. As tuas reflexões não devem ter um calendário. Brotam quando tem de ser. Em todos os teus escritos, nos mais variados temas, exibiste sempre uma segurança e uma sabedoria quase estranhas em quem aparenta viver à margem da literatura. Fica-se com a sensação de que, quando quiseres, escreves sobre o que muito bem entenderes, sempre ao mais alto nível. Se tu quiseres serás um grande escritor ou um excepcional produtor de pensamento.
    Abraço,
    JG

    Gostar

  6. Não sei que comentário deixar aqui. Honestamente. És tão sincero, que entras e fixas dentro de quem lê. Só pode! Digo-te o quê Rodrigo???? Só se for ..❤️

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: