Rejeitar para não ser rejeitado

Estou sentado à mesa e sou o único que não vai comer. Estamos num daqueles restaurantes tipicamente lisboetas que se mantêm resilientes face à onda trendy/gourmet/veggie/michelin-wannabe que invadiu a cidade. São as toalhas de papel, as facas sem serrilha, os cadáveres dos peixes expostos à janela, o menu onde o bitoque é rei e os empregados que refilam sem filtros. Almoçar aqui, para mim, traduz-se numa omelete de queijo acompanhada com brócolos demasiado cozidos.

Estou rodeado por uma panóplia de pessoas, a maior parte são amigos de longa data. Quando explico que não vou comer, a piada trocista sai sem atrito. Comeste um hambúrguer de quinoa em casa? E todos se riem. Incluindo eu, que riposto: Quinoa e lentilhas! O riso já está a morrer e a minha resposta conivente encontra apenas um ou dois olhares de julgamento. Inevitavelmente ouço internamente: Lá está este gajo com a mania que é diferente. Sou eu a julgar-me. Necessito de apaziguar o desconforto interno e mudo de mesa. É uma estratégia conhecida – rejeito para não ser rejeitado. Ao sentar-me num novo lugar recebo um daqueles olhares que acolhem e dizem: que bom que estás aqui. Sinto finalmente o crítico interno a calar-se. Só agora é possível estar inteiro, sem jogos políticos, sem querer agradar/atacar/defender-me do outro. Sentir-me aceite com todas as minhas merdas tem esse poder.

Sair do trilho suposto

Já há algum tempo que ando a desbravar um caminho orientado pelo meu sentir, atento à tentação das sereias: status, dinheiro e poder. Fui da gestão de projetos para o mundo da psicoterapia, deixei crescer o cabelo, tornei-me vegetariano, fui estudar psicoterapia e tenho explorado a minha versão palhaço. Não são propriamente escolhas alinhadas com o meu percurso inicial de vida. Ainda assim, observo-me menos ansioso, mais seguro, mais satisfeito, realmente satisfeito. Neste processo de me reinventar estou muito em contacto com a minha necessidade de que os outros gostem de mim. Fui descobrindo que algumas pessoas foram deixando de gostar e isso dói. Não há nada a fazer. Eu não sou responsável pelo que os outros sentem, apenas pelo que eu sinto.

É mais fácil dizer que não sou responsável pelo que os outros sentem, do que agir de acordo com essa afirmação. A rejeição desperta um fogo dentro de mim que fica difícil de conter. Surge o impulso de escrever um artigo inteligente que desarme quem me rejeita. Um artigo que reúna comentários que me validem. Quero sentir que também faço parte de um grupo e faço-o julgando os outros. Rejeitar para não me sentir rejeitado.

Não admira o poder das redes sociais. Esteja onde eu estiver, a tribo está comigo. Posso dar comigo no meio da Love Parade ou no meio de uma Procissão Religiosa, sentir-me deslocado, enviar uma fotografia para o meu grupo a troçar do aspeto de quem me rodeia e os emoticons salvar-me-ão imediatamente da minha solidão. Põe à margem quem não pertence. Nós pressupõe Eles.

Transcender a mitologia

Dias depois do almoço desabafei que mais uma vez me tinha sentido gozado. Retorquiram: Esse é o custo que tens de pagar por quereres ser diferente. O velho argumento falacioso: “é assim que o mundo é”. Discordo. Discordo, porque acredito em escolhas que nos levam a transcender a mitologia onde vivemos imersos. Apesar das tribos terem esta lógica binária: ou pertences ou não pertences. Apesar de compreender que eu também pratico o desporto de rejeitar e julgar o outro para sobrecompensar sentir-me rejeitado.  Apesar do mundo ser assim, continuarei a desenvolver em mim a capacidade de aceitação que constrói pontes e não muros. Podem chamar-lhe uma ingénua aspiração lennoniana. Eu sei que é. Mas há alguma outra forma de sonhar?

Ah! E se quiseres experimentar os hambúrgueres de quinoa e lentilhas tens aqui a receita (julgamentos-free): https://www.rebootwithjoe.com/lentil-and-quinoa-veggie-burgers/

27 opiniões sobre “Rejeitar para não ser rejeitado

  1. Também como hambúrgueres de quinoa, fui vegetariana durante 12 anos e chegava a levar a marmita para os jantares ou almoços com amigos. Nunca me senti à parte ou gozada, talvez porque não me fizesse qualquer diferença o que diziam os outros, talvez pensasse menos no assunto.
    Cozinho bem e como tal sempre fiz almoços em casa para os amigos, assim também os amigos perceberam que as minhas escolhas também podiam ser saborosas.
    Sempre aceitei que eles comessem carne, peixe, o mais desagradável num vegetariano é a conversa de tentar convencer os outros que só as escolhas dele estão correctas! Vivi em comunidades Vegan na Índia, fiz cursos raw nos EUA, participei em workshop s de yoga por aí, logo conheço bem esse
    mundo.
    Organize um almoço vegetariano e convide-os,.
    A receita que partilha não é a melhor para começar ! Demasiados Ingredientes
    Quinoa
    Lentilhas
    Ervas aromáticas
    Curcuma
    Cominhos
    sal
    É suficiente !
    Cozinhar bem a quinta e as lentilhas separadamente, escorrer bem e deixar em tachos com tampa alguns minutos, a abrir, triturar bem até ter uma massa pastosa. Juntar ervas picadas, sal, curcuma, cominhos…,moldar os hambúrgueres e levar ao forno, ou fritar em óleo coco neutro.
    Serve com molho iogurte.
    Beijinho
    Isabel Serra

    Gostar

  2. A maioria das vezes é preciso ser muito corajosos para ser diferentes . Acima de tudo temos que nos aceitar para que os outros também o possam fazer . Parabéns .

    Gostar

  3. És o maior! E pela forma como exteriorizas esses sentimentos sem pudor ou vergonha, és o melhor! Que raio interessa o que os outros pensam ou dizem? O importante é sentires que estás no teu caminho e que te sentes bem com isso. Excelente artigo. como é hábito. Beijinhos

    Gostar

    1. Obrigado pelo teu encorajamento Sandra. Concordo contigo que é importante eu me sentir bem, mas não deixa de ser difícil não me julgar quando me sinto rejeitado. E isto de me sentir rejeitado é tão inconsciente que cuidar da ferida é um trabalho constante. Beijinhos

      Gostar

  4. Gostei do teu texto Rodrigo 😉
    Revi-me muito neste cenário de me sentir criticado e julgado por fazer alguma escolha alimentar diferente da carne e do peixe e da mini. Tenho notado como por vezes uma escolha fora da norma parece indignar ou ofender gostos mais convencionais. Parece-me que as piadas e a vontade de julgar, partem de um lugar de muito desconforto de quem as faz. Um lugar que morre de medo com confrontar-se com a mudança ou com a tomada de consciência. A piada parece ser mais uma estratégia para continuarem a não querer ver o impacto das escolhas, para confirmarem que a crença e o grupo continua seguro. Parece-me que quem julga não nos está a rejeitar, até porque para isso teriam que nos conhecer e compreender um pouco melhor. Parece-me que é mais uma reacção de aversão pelo que estão a sentir.
    Claro está que isto é algo que me ressoa como verdadeiro à posteriori, não consigo ainda ter a presença ou compaixão para ver a ferida do outro e não me sentir atacado e com vontade de atacar.
    Obrigado pela partilha, traz uma reflexão muito importante
    Abraço 😉

    Gostar

  5. Identifiquei-me com o teu texto Rodrigo, e com o “comeste um hambúrguer de quinoa em casa” ou uma outra frase que oiço habitualmente “não me digas que agora és fundamentalista”?!

    A vida é sábia, dá-nos e tira-nos (pessoas) ao longo do percurso trilhado, mas no fundo compensa-nos sempre quando as escolhas são feitas de acordo com o que faz mais sentido! No meio de quem compreende e de quem não compreende algumas opções/caminhos, as “pontes”, conforme dizes, são a possibilidade para quem queira olhar para o outro lado da margem, a que é “diferente”, e quem sabe deixar-se contaminar!

    E usando uma “lógica binária” dos que gostam (ponham o dedo no ar) e não gostam de ti pelas mudanças no percurso eu pertenço ao primeiro grupo, o do dedito no ar!

    Grata pelas tuas partilhas e entrega!

    Gostar

  6. Rodrigo, fico satisfeita por vê-lo experimentar caminhos que lhe sejam coerentes. Essa, para mim, é a verdadeira plataforma da tranquilidade. Plana e livre dos fantasmas de aceitação externa. A aceitação também é importante , como é evidente, mas se não nos escravizar ou vitimizar.
    Já trilho o caminho do vegetarianismo há 15 anos e estou na minha transição para vegan. Não por moda. Por profundo respeito àquilo que se foi tornando cada vez mais evidente para mim: o valor intrínseco de cada ser senciente. A leitura de Peter Singer e a visualização do Earthlings ajudaram a esta nova visão, mais completa sobre os animais. Mas ela fez-me imediatamente sentido.
    A verdade é que temos sido educados a olhar tanto para nós, que nos esquecemos que essa antropovisão acaba por nos levar a ratoeiras psicológicas que nos infligem imenso sofrimento. A nós e dos animais.
    Espero que o espectro dos que o aceitam com as suas novas experiências seja cada vez mais largo. Estamos a falar de experiências que aumentam valor, pelo que, os que não o aceitam, podem estar presos a uma percepção muito reduzida da realidade.
    Espero que a Carla o acompanhe nessa mudança é que a mesma seja permanente.
    Um beijinho para ambos e filhotes .

    Gostar

  7. Meu caro Rodrigo se, “A rejeição desperta um fogo dentro de mim que fica difícil de conter. Surge o impulso de escrever um artigo inteligente que desarme quem me rejeita. Um artigo que reúna comentários que me validem. Quero sentir que também faço parte de um grupo e faço-o julgando os outros. Rejeitar para não me sentir rejeitado.”, tens mesmo de analisar, talvez aqui pelo ambiente do restaurante onde há tempos almoçámos ambos. Nós podemos fazer a nossa vida, praticarmos as nossas ideias e se essa postura se fizer com coerência, obtermos a consideração da maioria de quem nos rodeia, mas meu caro Rodrigo, temos sempre de viver com quem não suporta o nossa estar na vida.
    O melhor é continuares fazendo o que pensas ser correto, ou seja, preferir sentires que és “ser humano justo” em vez de “ser humano bom”.

    Gostar

  8. Grata pela partilha, fez todo o sentido para mim, tenho descoberto que se nos mantermos fieis a nós próprios podemos nos “perder” de uma tribo por mudança nos nossos hábitos mas passando pela “noite escura da alma” descobrimos novos elementos com quem partilhar experiências. Decidi caminhar num mundo livre de sofrimento e de forma natural, sinto que sou rejeitada quando também eu me rejeito, o título ressoou em mim e o conteúdo fez todo o sentido – “rejeitar para não ser rejeitado” dá-me segurança, aceitar-mo-nos tal como somos e priorizando aquilo que nos faz bem descobrimos que a nossa verdade nos levará ao momento perfeito de crescimento e rumo à verdadeira libertação. Votos de tudo a correr pelo melhor _/\_

    Gostar

  9. Uma vez tentei fazer hambúrguer de quinoa…. foi um desastre. Parecia tudo menos quinoa. Não voltei a experimentar e no final de contas nunca comi.
    Da próxima pode ser uma alternativa à pizza. 😂
    Podes editar o próximo livro… eu compro.
    Um abraço, meu amigo. Adoro a tua escrita!

    Ps: bendito POL e as partilhas…..lol

    Gostar

  10. Foi das coisas mais dificeis de ensinar aos meus filhos, ensinar a seres tu fora da tribo, a poderes expressar-te mesmo que estejas em minoria.
    Para os miudos em particular na adolescência isso é muito dificil. Todos os miudos querem fazer parte da tribo, têm medo de ser rejeitados, gozados.
    Mas se não consegues fazer com que o consigam em crianças em que adultos se vão tornar?
    Mas ensinar aquilo que tu tambem não sabes fazer, porque nãp aprendeste, é ainda mais dificil. Mas não é impossivel.
    Digo hoje muitas vezes para choque de muita gente que uma das minhas grandes ambições é chegar a um estado em que me seja absolutamente indiferente a opinião dos outros. Chegar a esse estado sem me tornar eremita mas antes pelo contrario ter mais amor, aquele amor universal de que se fala.
    Nem por acaso, e eu acredito mesmo que não há acasos, ontem fui ver de novo “as conversas serias, o que farias se não tivesse medo” da Marta Gaultier.
    E ela falava de novo nisso, de teres aquele fogo cá dentro de quereres ser tu, de teres a tua verdade, de não te cndicionares pelo olhar dos outros oou do seu julgamento. Aquele fogo cá dentro que te leva a ter coragem de assumir que nada nem ninguem te pode demover de ser quem tu és. nem pais, nem companheiros, nem filhos, nem amigos.
    Ela deixou-nos com a canção nasce selvagem dos Delfins

    Tu pertences a ti, não é de nnguém!

    Grata Rordrigo por mais esta refexão, estou a adorar esta viagem!

    P.S. Grata pela receita dos hamburgers mas quinoa e lentilhas não é mesmo a minha praia, mas agradeço de houver aguma receita de hamburfer vegetariano por exemplo com grão 🙂

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: