Olha, eu a lançar um livro

Eu a autografar um livro

Sentei-me sozinho no palco, microfone do lado esquerdo, três exemplares e uma cábula do lado direito. Estava nervoso. Senti necessidade de explicar porque é que estava sozinho. Queria ter uma conversa com quem tinha vindo, olhá-los de frente, não queria que assistissem a um diálogo. Dei as boas-vindas e apercebi-me de como ainda estávamos distantes, frios e me faltavam as palavras. Comecei por recordar os jantares em casa das irmãs na Ilha do Príncipe, há doze anos atrás, e de como o ritual de agradecer a todas as refeições me tinha marcado. E nesse momento senti-me grato pelo momento presente.  O calor de ser amado pelo outro acendeu uma pequena chama no meu ser. Ao derreter a distância que sentia, desafiei o público a partirmos numa aventura. De repente, éramos um cowboy no faroeste em busca de um copo de leite fresquinho. Graças às crianças pequenas e grandes foi possível dar permissão às nossas asas e voámos para lá do desfiladeiro que nos separava. Quando a aventura terminou e o nosso herói tinha saciado a sua sede, já me sentia em casa. O público já não era um adamastor, era um cabo de boa esperança e a conversa pôde fluir. 

A dada altura, depois de eu responder sobre que episódio, enquanto pai, eu alteraria se pudesse voltar atrás, perguntaram-me: 

Como é que te sentes a responder a essa pergunta?

E, de repente, foi como se me recordasse que tenho um corpo que tem sensações e que estava ali comigo. Dei por mim a parar para sentir. Sabes como é? Fechar os olhos, inspirar, expirar, escutar o que vem de dentro. Sentia o peito contraído, os ombros tensos, mas também sentia que era possível respirar e partilhar. Para além do medo de que me julgassem, havia uma coragem alimentada por uma rede de pessoas que gostam de mim e a conversa continuou.

Depois de deixar claro ao público, mas especialmente aos meus filhos, que me zangaria caso um deles utilizasse o meu cartão de crédito para enviar cinco mil euros para a construção de uma escola, surgiu uma pergunta difícil.

Quais são as expectativas que tens para os teus filhos?

A desorganização interna apareceu e dei por mim a responder que esperava que fossem felizes, que de tão verdade soa a cliché. Só mais tarde, longe do palco, recolhido comigo próprio percebi o que se tinha passado. Eu não quero expressar as minhas expectativas aos meus filhos. Claro que elas existem e vão aparecendo aqui por dentro, mas elas são minha responsabilidade, eles não têm nenhum dever em relação ao que eu gostaria. E perante a possibilidade de as expressar ali em frente a eles e a tantas pessoas, família e amigos, dei por mim numa luta entre querer dar uma resposta genuína e não querer depositar neles o peso do que é meu. Felizmente, neste caso, a minha vontade de partilhar o que penso e o que sinto não ganhou e eu recordei como é importante que eu não ande a espetar tabuletas no espaço que é deles.

Seguir-se-ia uma nova pergunta difícil, como as ondas do sete e eu agarrado à prancha a tentar não vacilar.

Como é que é zangarmo-nos muito com alguém de quem gostamos muito?

E perante a minha incapacidade de responder direito, agarrado a uma explicação atabalhoada de que não sei como é que é, mas sei que é, surgiu o desafio aliviador:

Eu espero pelo próximo livro.

Depois das perguntas, depois dos autógrafos, depois de me despedir e arrumar o espaço, fui agraciado com um almoço em família organizado pelo meu pai. Ao sentar-me à mesa, deparei-me com uma citação escrita numa tabuleta na parede:

If you tell the truth, you don’t have to remember anything.

Mark Twain

E dei por mim a refletir que a sensação quente de tranquilidade comigo próprio que sentia naquele momento devia-se acima de tudo à escolha de ter feito do lançamento do livro um momento da minha verdade. Como quem diz, olha, aqui estou eu, sou este, com toda a minha luz e a minha sombra, com as minhas certezas, os meus medos e a minha incoerência.  E mais uma vez percebi quão poderoso é esse caminho de nos apresentarmos ao outro desde um lugar de vulnerabilidade. Ajudou não me ter sentido rejeitado.

Obrigado a todos os que participaram nesta celebração.

Se não pudeste estar presente e quiseres adquirir o livro (dizem que é um excelente presente de Natal 🎄 😉), tens três hipóteses:

  • Contactar-me diretamente
  • Comprar na Amazon a versão em papel ou kindle
  • Estares presente na próxima apresentação do livro em Braga, no dia 21 de dezembro, às 10:00, no Museu dos Biscainhos. Confirma no Facebook ou diretamente comigo.

Se ainda tens dúvidas e quiseres saber mais sobre o livro visita a página https://tornarmepai.pt/

4 opiniões sobre “Olha, eu a lançar um livro

  1. Nesta resposta ao escrito agora no blogue apetece-me recomunicar o e-mail que logo de seguida te enviei, mas antes retiro de agora, “Eu não quero expressar as minhas expectativas aos meus filhos. Claro que elas existem e vão aparecendo aqui por dentro, mas elas são minha responsabilidade, eles não têm nenhum dever em relação ao que eu gostaria.”, para dizer ao Rodrigo que deve sempre dar a saber aos seus filhos o que pensa, nada de guardar. Em relação ao e-mail aqui fica. ” Meu caro Rodrigo anteontem gostei muito da sessão de lançamento do livro. Muita gente, idades diversificadas, crianças, mulheres e homens, todo o conjunto bem disposto e sessão inovadora e marcante, tudo certo até no cumprimento do horário anunciado.
    O livro que já li todo tb me agradou muito pela interligação que apresenta e pela sequência. Embora tivesse conhecimento de grande parte do texto li com gosto de ponta a ponta hoje (ontem), acabei agora.. Como faço sempre sublinhei e deixei vários V (VITAL) metodologia que utilizo desde há muito em termos de U (útil) I (importante) e V (vital). Neste caso deixei V em onze páginas, ajustei para seis e escolhendo uma optei pela 107, parte de “Primeiro sê, depois faz e só então tem”.
    Parabéns.
    Continua:
    – A trabalhar nos teus tão gostosos mundos;
    – A escrever;
    – E a Publicar integrando Lançamento.
    Um abraço da maior consideração,
    Pena.”
    Agora mais um abraço da maior consideração,
    Pena

    Gostar

  2. Que bonita partilha, Rodrigo!
    Fico sim com vontade de ler… para breve, mas com medo de tanta leitura de trabalho que tenho para fazer 😉
    E Parabéns!

    Gostar

  3. Bom dia Rodrigo,
    Muito apreciei a tua capacidade de comunicador naquela manhã bonita da apresentação. Fizeste uma espécie de quadratura do círculo: um programa de entretenimento para gente dos 8 aos 80. Acho até que excedeste estes limites. E agora leio-te com o prazer de sempre: uma escrita fluida, inteligente, e amigável, como se de uma fala se tratasse.
    Bem hajas por aquele abraço que me deste.
    JG

    Gostar

  4. Olá Rodrigo não pude estar presente no lançamento do livro mas houve uma fada que no trouxe de presente e em breve estará nas minhas mãos.
    Gosto da. forma como te despes perante todos, dá tua autenticidade, da tua fragilidade que é a tua força. Sou tua fã.
    Ser pai ou mãe não é um dom, é uma aprendizagem feita de necessários erros.
    Amar sem estrangular, ensinar a vencer medo quando nos temos medo são algumas das coisas de que tu falas e que a mim mãe de dois belos rapazes de 29 e 31, são coisas que me tocam muito.
    Parabéns.
    Dar te ei fdbk logo que tenha lido o livro

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: