Alguma vez te sentiste no caminho errado?

Alguma vez te sentiste no caminho errado? Com a sensação desesperante de que a única solução seria voltar tudo atrás e recomeçar? Foi assim que me senti quando terminei a licenciatura. Estava completamente perdido. Tinha passado os últimos cinco anos a confiar no cruise control que me levaria seguro até uma terra de sucesso. Secretamente desejava poder regressar a um momento anterior à decisão de estudar Engenharia e Gestão Industrial. Então poderia fazer a escolha certa! Aquela que me levaria até à vida feliz e com significado que eu tanto procurava.

É normal acreditar que o caminho não percorrido teria sido melhor, mas é uma ilusão. Não há atalhos para a vida. Não é possível andar para trás no tempo, nem saltar para a frente. Este é o nosso fado ㅡ aceitar cada passo que demos e escolher onde colocamos o próximo pé.

Como não era possível regressar cinco anos atrás, decidi desligar o cruise control e travei a fundo. Fiz uma paragem para refletir antes de me lançar nos intermináveis kilómetros do mundo profissional. Decidi deambular pelos meus desejos, à procura do que é que queria fazer com a vida. Viajei. Escrevi. Li.

Passados seis meses não tinha chegado a nenhuma conclusão e as minhas poupanças estavam a esgotar-se. Percebi que teria de começar a trabalhar. Talvez assim descobrisse algo novo. Enquanto procurava onde ia começar essa minha brilhante futura carreira, recebi propostas de três empresas. Recusei as grandes consultoras e escolhi o caminho que menos conhecia. Integrei a equipa comercial de uma software house multinacional. Durei apenas quatro meses. Aprendi que sou um peixe-fora-de-água no mar comercial. Quem me conhece dirá: “Eu já sabia que isso não era para ti!”.

Conheces este paradoxo da vida? Toda a gente me conhece melhor do que eu próprio, mas por mais que me avisem do que parece óbvio, eu não o aceito até o sentir na pele.

Saí da multinacional e fui trabalhar para uma associação empresarial portuguesa. Foi uma experiência completamente diferente de tudo o que tinha feito até ao momento. Dei por mim no mundo dos empresários todos-poderosos. Estive numa reunião com o lendário Belmiro de Azevedo em que tive o privilégio de ele me dirigir a palavra: “Rodrigo, pode por favor pôr o slide anterior”. Colaborei com o então Presidente da República Jorge Sampaio, quando ele insatisfeito com a posição de uma mesa agarrou no tampo e pediu-me: “Agarre aí desse lado”. Perante a atrapalhação da comitiva presidencial deslocámos a mesa meio metro para o lado.

Durei quase três anos na associação. Sentia-me bem e era competente no meu trabalho. Ainda assim, a sensação de que não estava no caminho certo continuava presente. Às vezes fantasiava que também eu poderia ter nascido com um talento que definiria a minha vida. Como aquelas pessoas que desde pequeninos sempre souberam que iam ser músicos, atores, médicos, astronautas.

Experimentei regressar a uma estrada conhecida da minha infância e adolescência. A estrada dos computadores. Tornei-me programador. Rapidamente descobri que era incompetente. Faltavam-me cinco anos de estudo de teoria, que eu desperdiçara a estudar matérias fascinantes como Contabilidade, Macroeconomia e Elementos de Eletrotecnia. Essa incompetência levou-me a um caminho onde podia conjugar tudo o que tinha aprendido durante o meu curto percurso profissional ㅡ o mundo da gestão.

Comecei por gerir projetos, depois clientes e finalmente pessoas. Onze anos depois de ter terminado os meus estudos de engenharia, tinha-se tornado claro que me dava prazer ajudar grupos a serem mais funcionais e ajudar pessoas a serem mais felizes. Decidi voltar a estudar. Em vez de ir fazer um MBA, fui estudar Psicoterapia Corporal. Estou a começar o terceiro ano.

Mais do que a passagem de ano, o início do ano letivo costuma ser o meu momento de reflexão sobre escolhas de vida. Neste regresso de férias apercebi-me que essa vontade de voltar tudo atrás e recomeçar desapareceu. Não sei se estou no caminho certo, mas a sensação de estar encurralado e resignado a um caminho errado desvaneceu-se. E eu não me apercebi do momento em que isso aconteceu.

Constatar essa transformação lembra-me o que Alexander Lowen disse em “Medo da Vida” ㅡ só quando aceitamos o nosso fado é que surge a possibilidade de nos libertarmos dele. A psicoterapia tem-me ajudado muito nesse processo de aceitação, de quem sou e dos passos que dei até aqui. Essa aceitação não tem funcionado como uma resignação, mas sim como uma fonte relaxada de energia para dar o próximo passo na direção que eu quiser. É como o paradoxo dos alongamentos. No limite da dor, expirar e aceitar a experiência leva à diminuição do que parece insuportável. Por momentos parece que podemos permanecer assim eternamente.

Como costumamos dizer na Oficina Clown: está tudo ok, não há certo, nem errado. Quem tu és, com o teu caminho percorrido e os teus desejos para o futuro, são válidos. A validação de cada passo no caminho e a gratidão por cada pedra em que tropeçaste, traz a possibilidade do próximo passo ser mais leve e firme, sem estar preso no passado.

Se gostaste deste artigo, junta-te ao grupo de pessoas que acompanham de perto o meu blogue. Clica neste [thrive_2step id=’718′]link[/thrive_2step] e deixa-me o teu nome e email. Receberás uma mensagem de boas-vindas com o meu contacto e o conto “A imperdoável escolha de Black”

[thrive_leads id=’630′]

18 opiniões sobre “Alguma vez te sentiste no caminho errado?

  1. Já tinha saudades de te ler! Vontade de encontrar a minha palhaça num espaço seguro, sem certos nem errados! Obrigada pelos encontros vividos e por os fazeres continuar aqui. *

    Gostar

  2. Ainda bem que voltaste a escrever! Que inveja da tua “transparencia”, sem capas, e sem esconderijos. Isso nao é fácil mas deve ser muito bom… a terapia deve ajudar e as sessoes Clown tambem. onde estas a fazer o curso de Psicoterapia Corporal?

    Gostar

  3. Olá Rodrigo, saúdo o teu regresso em força e em forma, com um livro que lerei de bom grado. O tema que propões hoje suscita-me a reflexão de que não me lembro de alguma vez ter questionado a escolha profissional. Mas penso que pouca gente terá a certeza de bem escolher, excepto talvez os jovens que “sabem” que querem ser bombeiros, polícias, bailarinos, fadistas, etc. Todos os outros escolhem na incerteza e depois gerem os momentos críticos como sabem e podem. Termino dizendo ainda que eu prefiro simplificar tudo na vida, descomplicando e tentando em cada dia, em cada momento, seguir o melhor caminho possível. E que adianta se não acertei? Dirás que me reduzo e limito, ficando-me contente com o destino e conformado com a desgraça, como um bom católico. Que não sou! E de resto sempre procurei superar-me em tudo o que fiz na vida.
    Abraço
    JG

    Gostar

    1. Olá Jorge.

      Obrigado pela tua partilha, como sempre é autêntica e rica.
      Nunca diria que simplificar a vida, tentando seguir o melhor caminho possível, é uma redução e limitação.
      Pelo contrário penso que faz parte da sabedoria da vida. E acrescentaria que a verdadeira sabedoria é saber fazê-lo com ternura para comigo próprio.

      Abraço

      Gostar

  4. Caro Rodrigo , gostei muito de conhecer o teu percurso post-Colegial. Como teu professor e coordenador de ano, numa altura em que não havia directores de turma nem psicólogos, era eu o “bombeiro de serviço” para todo o curso… Sempre senti que havia algo que se passava contigo, pois muitas vezes te vi alheado do que se passava à tua volta! Contudo, como bom aluno que foste e que, quando chamado à atenção, logo reagias positivamente, pensava que era “feitio” e não que andasses a “navegar em incertezas” sobre a vida!…Encontraste finalmente algo compatível com a tua maneira de ser, e ainda bem! Segue esse caminho em que te sentes bem, pois é aquele em que te vais realizar, estar bem com a vida e ser feliz… Oxalá o consigas, são os meus votos. Vou ler o que livro que entretanto escreveste. Não me esquecerei do “feed-back”…Um grande abraço de amizade.

    Gostar

  5. Meu caro Rodrigo, como vai sendo habitual, para além de mais uma vez te parabenizar por este ótimo texto e tb pelo livro que juntamente me chegou e vou ler mais logo, começo o comentário por relevar uma passagem do artigo.
    “A psicoterapia tem-me ajudado muito nesse processo de aceitação, de quem sou e dos passos que dei até aqui. Essa aceitação não tem funcionado como uma resignação, mas sim como uma fonte relaxada de energia para dar o próximo passo na direção que eu quiser. É como o paradoxo dos alongamentos. No limite da dor, expirar e aceitar a experiência leva à diminuição do que parece insuportável. Por momentos parece que podemos permanecer assim eternamente.
    (…) Quem tu és, com o teu caminho percorrido e os teus desejos para o futuro, são válidos. A validação de cada passo no caminho e a gratidão por cada pedra em que tropeçaste, traz a possibilidade do próximo passo ser mais leve e firme, sem estar preso no passado.”
    Aqui está muito do recomendado sobre a Vivência com Qualidade de Vida. A minha existência, 80 anos dos quais 60 preenchidos com trabalho remunerado (militar dos 18 aos 60 e docente no ensino superior dos 60 aos 78) e agora continuação de elevada ocupação como cuidador informal da minha mulher (DP/acinésia), obrigam a deixar aqui testemunho, em termos de apontamentos, para uma comunicação que se podia intitular, “Estratégias de Comunicação a desenvolver para se conseguir envelhecimento com Qualidade de Vida”, que se podia proferir, por exemplo, na Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar (20 minutos de intervenção e 70 de debate). Na verdade a experiência adquirida diz-me que o mais importante consiste na interligação daquilo que se vai fazendo com o desejado para o futuro, mas importa ir acumulando competências e um mínimo de bens materiais, assim como ir conseguindo disponibilidades para continuar na aprendizagem académica acumulando saberes para utilizar nos desafios que nos forem proporcionados.
    Obrigado, continua.

    Gostar

  6. Esta tarde de Quarta foi para o teu livro, com pausa a meio para um iogurte. Já te tinha dito que escreves muito bem, ia dizer bem demais. Escreveste um excelente conto, num português escorreito, agarrando o leitor logo de início, surpreendente e com um final perfeito. Creio que estamos a assistir ao surgimento de um grande escritor. Tens tudo para o poder vir a ser.
    Parabéns Rodrigo.
    JG

    Gostar

  7. O paradoxo dos alongamentos – No limite da dor, expirar e aceitar a experiência leva à diminuição do que parece insuportável. Isto é tão bom!!! Vou passar a citar-te como se cita um escritor, um génio ou um filósofo famosos.

    Gostar

  8. Quando te estava a ler toda a minha cabeça arrepiava. Obrigada pelas tuas palavras tão bem encaminhadas à inquietude do meu coração. É delicioso ler te.

    Gostar

  9. Meu caro Rodrigo, terminei agora a segunda leitura do livro. Pretendi com ela confirmar que se lê num fôlego, em ambas me “agarrou”, gostei muito. Como outros tb incentivo o Rodrigo a continuar a escrever dando força, e alimentando, o seu potencial como escritor. Parabéns. Continua.

    Gostar

Deixe uma Resposta para HPHP Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: