Um pai também muda fraldas

Nunca percebi porque é que há homens que não trocam fraldas e há mulheres que não os deixam fazê-lo. Hoje, que é dia do Pai, celebro a atual liberdade masculina que me permitiu mudar fraldas, dar banho, secar rabos, fazer de vaca e de gato, cantar músicas de embalar, dançar a Dança das Gatinhas, pentear cabelos e dar beijos repenicados de boa-noite.

Trocaria todos os dias essa ideia do pai austero e distante, ou a do pai másculo que não chora, por esta possibilidade de ser um pai próximo e afetuoso. E não, não me sinto menos viril por isso.

O movimento feminista

É curioso que tenha sido o movimento feminista a trazer esta possibilidade aos homens. Foi preciso que as mulheres começassem a trabalhar nas fábricas para que os homens começassem a trabalhar em casa e se pudessem infiltrar nesse monopólio feminino dos cuidados infantis. Tal como um pêndulo, esse movimento continua à procura do seu equilíbrio. Eu tive a sorte de ter encontrado uma mulher que me deu o espaço para também eu cuidar dos nossos filhos. Gosto de pensar que eu não ajudo lá em casa, eu participo. Somos ambos cuidadores, não há ajudantes. Essas tarefas básicas de trocar fraldas, cortar unhas, dar banhos, dar de comer, limpar ramelas, aspirar ranho, ajudaram-me a criar intimidade com os meus filhos.

Cocó

O que é que mudar uma fralda tem a ver com intimidade? Mudar uma fralda é um ato de cuidado para com um ser indefeso que precisa que deixemos cair todos os nossos julgamentos sobre cocó. É um micro-ato-Madre-Teresa-de-Calcutá. É quando deixamos cair esses preconceitos sobre tocar em cocó que percebemos que mudar uma fralda é um momento singular de partilha. É aceitar aquela pessoa na sua totalidade, sem querer esconder as partes feias. É um pequeno gesto de validação dos meus filhos. É dizer-lhes:

Estou aqui para ti durante toda a tua vida, para os momentos maravilhosos e para os momentos de merda.

Essa intimidade teve o dom de me confrontar com a minha vulnerabilidade. É que na verdadeira intimidade não há máscaras. Se eu quero estar realmente em contacto com os meus filhos não me serve de nada colocar aquele ar de que sei do que estou a falar, ou usar as expressões de quem é calmo e está tranquilo com a vida. A intimidade é feita de emoções.

Claro que dá medo quando as lágrimas querem rolar, ou quando a raiva quer explodir. Parece que sou demais e que algo de mal pode acontecer. Até ter filhos eu não chorava, nem me zangava. Era tudo muito controlado. E depois eles apareceram e destrambelharam por completo o meu sofisticado sistema de proteção e defesa. As brechas começaram a surgir, as lágrimas a fugir e a raiva eclodir. Eu escondia isso do mundo dos adultos, mas na intimidade comecei a ter de lidar com essas emoções. Era isso ou fugir. E eu estava farto de fugir.

Fugir teria sido esconder-me atrás da ideia do pai altivo, que não se envolve nos cuidados das crianças. Fugir teria sido deixar de mudar fraldas, porque tinha sempre um telefonema importante para atender. Fugir teria sido “ser um homem”, porque um homem não faz certas coisas de mulher. Fugir teria sido fugir de mim mesmo. Não fugi, rumei em direção às ondas por maiores que elas fossem.

Pais unidos jamais serão vencidos

Estar no meio da tempestade acompanhado, é muito bom. Pedir ajuda é essencial. Estou há horas a tentar acalmar a nossa filha. A sensação de pai babado que olha enfeitiçado para filha linda, já passou há muito. Estou a dar em doido e já tenho pensamentos de a atirar a ela ou a mim pela janela. Então aparece a Carla, pega na bebé, levanta uma mão e damos um high-five ao mesmo tempo que dizemos em uníssono “Pais unidos jamais serão vencidos”. E no momento em que me deito, sinto as lágrimas correrem pelo rosto, é um misto de ansiedade e alegria. Para lá do cansaço e da frustração, há mais qualquer coisa. É algo que me diz que os meus filhos me estão a transformar e que isso só pode ser bom.

Olhando agora para trás, sei que os meus filhos tiveram a capacidade de me levar ao limite. E experimentar os meus limites levou-me a procurar psicoterapia. O que me levou a um processo de descoberta das minhas emoções, das minhas feridas e dos meus recursos. Hoje já não me sinto numa tempestade e quando as ondas vêm, por vezes, sou capaz de mergulhar nelas. Hoje sinto-me no caminho que quero percorrer e sinto-me o pai que quero ser.

Hoje celebro todos os pais que têm a coragem de mostrar o seu afeto, que não têm medo de se emocionar e que nunca se coibiram de se sujar para cuidar dos filhos. Hoje celebro o meu pai.

 

Se gostaste deste artigo, junta-te ao grupo de pessoas que acompanham de perto o meu blogue. Clica neste [thrive_2step id=’718′]link[/thrive_2step] e deixa-me o teu nome e email. Receberás uma mensagem de boas-vindas com o meu contacto e o conto “A imperdoável escolha de Black”

[thrive_leads id=’630′]

11 opiniões sobre “Um pai também muda fraldas

  1. Meu caro Rodrigo, parabéns por mais este assumir com frontalidade a verdade e o gozo que se tem por fazer diferente. Como habitual relevo do teu testemunho: “Olhando agora para trás, sei que os meus filhos tiveram a capacidade de me levar ao limite. E experimentar os meus limites levou-me a procurar psicoterapia. O que me levou a um processo de descoberta das minhas emoções, das minhas feridas e dos meus recursos. Hoje já não me sinto numa tempestade e quando as ondas vêm, por vezes, sou capaz de mergulhar nelas. Hoje sinto-me no caminho que quero percorrer e sinto-me o pai que quero ser.
    Hoje celebro todos os pais que têm a coragem de mostrar o seu afeto, que não têm medo de se emocionar e que nunca se coibiram de se sujar para cuidar dos filhos. Hoje celebro o meu pai.”
    Por mim comecei tal procedimento quando nasceu a Maria Isabel, 1961, que continuou com os nascimentos do Luís Miguel (1963) e da Maria Margarida (1965), e agora (2017)? Hoje abri o computador, estudei este teu e-mail às 10h25, mas antes aconteceu levantar às 06h45, tomar banho, ir ao pão e aos jornais (DN e Público) tomar o pequeno almoço, em pé e a correr, acordar a minha mulher lendo-lhe as notícias mais do seu agrado, cuidar do seu levantar e do seu banho, preparar-lhe o pequeno almoço, havendo pão (fresquinho) com manteiga e excelente queijada com acompanhamento de chá acabado de fazer; seguiu-se preparar a nossa cama, arrumar as meias, entretanto lavadas ontem na máquina juntamente com outra roupa, do neto mais velho (26 anos) que aqui passa quase todos os dias para ir ao ginásio (CDPA). Ainda vou à missa (Igreja Católica) das 12h00 (às 11h30 chega a colaboradora doméstica que em termos extraordinários permanece até às 13h30 para acompanhar a minha mulher que não deve ficar só muito tempo); por volta das 14h00 chega a minha filha mais nova que vem almoçar connosco e agora está na “marratona”. Por fim, lá para depois de jantar, vou procurar ultimar o artigo de 2017 para propor publicação na Revista Militar, “FORÇAS ARMADAS EUROPEIAS COMUNS – Motor militar interligando aspetos económicos, culturais e sociais”, que gostava de enviar esta semana.
    Enfim… é bom começar pelas fraldas e pelos banhos dos nossos filhos para se terminar aos 80 a cuidar de outros entes queridos como cuidador informal eficiente. Naturalmente ainda não estou a procurar regularmente a Psicoterapia que vou conhecendo em termos académicos devido a acompanhar a minha mulher regularmente a sessões de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional, ainda estou na Ioga e numa ginástica especial que me serve também de neuroplasticidade, ambas aqui no CDPA duas vezes por semana em turmas de 14 pessoas. Um abraço continua.

    Gostar

  2. Obrigado Rodrigo, hoje celebro-contigo , com os teus irmãos, com os vossos filhos, meus netos,, o prvilégio que tive de vos mudar as fraldas. Um obrigado extensivo á tua Mãe e às Mães dos meus netos que me deram essa possibilidade.

    Gostar

  3. Adorei!. É uma descrição de ser pai muito sentida e muito real. Era bom que todos os pais conseguissem viver estes momentos tão intensamente.

    Gostar

  4. Ser Pai, e ser Filho, é a absoluta Biunivocidade… É ser semi-Deus e semi-Escravo, é ser o maior Amigo e o primeiro Camarada,
    é ser Irmão Antes e Depois… É o Infinito Aperto de Dar a Mão… É o que há de mais Fundo… Lá dentro do Coração!

    ABRAÇO, Rodrigo!

    Gostar

  5. Bem verdade! Ser pai/mãe por vezes parece uma montanha russa de emoções, das mais às menos agradáveis, mas se soubermos aproveitar é uma oportunidade única de nos tornarmos melhores pessoas 🙂 obrigado

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: